29 de março de 2013

"Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre"


Ler e ficar toda arranhada. Estimar cada um dos arranhões como uma medalha. E agora ansiar por uma exposição, eu que nem Louvre, nem MoMa, nem Tate moderno ou antigo, nem nada.

Sem comentários:

Enviar um comentário